Poema do jornalista e escritor Jeremias Macário

Existe aquele amor sempre o eterno,

mesmo quando outro toma seu lugar;

é o amor que vira nódoa na sua alma,

e nem todo o tempo consegue apagar.

 

Existe o amor de amante arrebatador,

que seduz como a pedra de diamante;

corta e devasta como o cruel lenhador,

até arder de cio na Comédia de Dante.

 

Existe aquele amor piedoso e o terno,

o do platônico que nunca se esquece,

e o do verão que se aquece no inverno.

 

Existe o prostituto que não tem pudor,

o que diz que ama e que nunca amou,

e o do condoreiro no vôo do Condor.