Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário

POEIRA

Andei por aí,

comendo poeira

por todo lugar,

no sol da zonzeira,

de a pele rachar.

 

Andei por aí,

longe das catedrais,

nas capelas de cruzes,

marcadas por sinais,

sem o foco das luzes.

 

A pé, ou de carro,

a poeira a subir,

nas casas de barro,

na estrada da vida,

não tem mais Juriti.

 

Menino descalço,

andando por aí,

com a barriga vazia,

parecendo o Zumbi,

na poeira do dia.

 

Caminhei por ai,

nas minhas andanças,

vendo a fome,

severa o seu nome,

de tristes lembranças.

 

A poeira nas curvas,

nas rodas veloz a girar;

tapa tudo ao redor;

vira nuvens no ar,

e em nós fica só o pó.

 

Perambulei por aí,

comendo o sal,

misturado à poeira,

do bem e do mal,

das viagens daqui.