abril 2019
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

:: 17/abr/2019 . 22:29

A INQUISIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL

Há séculos, desde os tempos coloniais, os juízes no Brasil são vistos como deuses intocáveis do Olimpo, como na mitologia grega. Só os sumos sacerdotes e reis, como em outras civilizações antigas, podiam ir ao templo fazer suas oferendas e sacrifícios. Nesses rituais, os humanos eram, na maioria das vezes, os sacrificados vivos.

O povo os venerava de distante, como o nosso que tremia e ainda treme pisar os pés num Fórum e ficar diante de um magistrado. O ritual de tratamento é cerimonioso, e sua toga preta parece simbolizar que ele é um imortal e, por tal condição, não pode ser criticado, e quem se atrever a isso será severamente punido.

Assim está se comportando o Supremo Tribunal Federal com sua pesada inquisição, como o Santo Ofício, contra as veladas críticas da população nas redes sociais e veículos da mídia, isto em pleno século XXI de difíceis tempos em que tanto se clama por democracia e liberdade de expressão, garantidas pela Constituição de 1988. Os desabafos entalados nas gargantas sufocantes são  dirigidos a alguns membros da corte que têm tomado posições até então suspeitas diante de evidências de crimes de corrupção, ladroagens e até de tráfico de drogas e armas.

A devassa aos críticos, como se ainda estivéssemos sob o poderio inquisitório do rei de Portugal, ou numa ditadura civil-militar do seu Tribunal Militar, está sendo feita por um ministro, indo de encontro à posição da Procuradora Geral da República, do Ministério Público e até de colegas e associações da classe que estão encarando a atitude como um ato de censura à plena liberdade de expressão.

INVESTIGA E JULGA

Millôr Fernandes já dizia que “jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados”. O mais grave nesse triste episódio é que o próprio Supremo Federal está investigando o que considera como crime e, ao mesmo tempo, está fazendo o julgamento, o que constitui  uma aberração jurídica. Quem investiga não pode julgar, como já opinou vários especialistas no assunto.

Pelas afrontas sofridas durante anos, pelas injustiças sociais, pelos desmandos das autoridades, pelas tragédias anunciadas no Brasil com milhares de mortes, pelos privilégios concedidos ao judiciário e ao legislativo, os quais afrontam a todos, pelos avanços das milícias e traficantes nas favelas que não são contidos pelos governantes (muitos políticos estão envolvidos como mafiosos), pela falta de educação e saúde e pelos desvios de conduta dos “homens deuses” das togas, o povo brasileiro tem razão de sobra de gritar e de xingar, até com certos palavrões ofensivos em momentos de raiva, contra membros de instituições que envergonham a nação e roubam a nossa autoestima e esperança de dias melhores e moralizantes.

Basta de se comportar como cordeiros ou gado marcado a ferro, basta de ouvir e aguentar tudo calado, basta de ser comodista e dizer que nada tem a ver, e não vai se meter nisso, basta de tanta alienação, basta de tantos desprezos destas castas que nos esnobam e fecham suas portas ao trabalho na semana santa e nos chamados “feriadões”, basta dos abusos de autoridade onde o cidadãos que paga os impostos têm que baixar a cabeça para não serem presos, Basta de nos tratarem como servos e súditos desses reis nus, basta de tanta opressão e de tantas asneiras e baboseiras!

Passou da hora de levantarmos nossas vozes, e nos colocarmos ao lado de críticos contundentes contra uma turma, que todos já sabem seus nomes, que solta da cadeia comprovados bandidos contumazes e ratos corruptos assassinos que, impiedosamente, passa safadamente a mão em nosso suado dinheiro. Uma coisa é o julgamento técnico, e o outro é o nitidamente político, inclusive o de relações pessoais de interesse. Não nos façam de bestas e otários engolidores passivos de facas.

Não estou falando aqui de ameaças e de certas ofensas injuriosas, mas todos nós ofendidos há anos em nossas honras, temos o direito de contestar, bradar nos momentos de cólera e pedir o impeachment de membros da corte, coisa que o Senado não faz porque muitos lá têm também suas mãos sujas de sangue dos nossos brasileiros que padecem e morrem nas câmaras ardestes dos hospitais, e são vivo-mortos pela ignorância porque lhe negaram a educação de qualidade, do saber e do conhecimento.

Muitos são adúlteros da lei, vendem até sentenças, têm auxílio moradia, férias de dois meses ao ano e outros penduricalhos e, quando, por vezes, são “punidos”, são simplesmente afastados com polpudas aposentadorias compulsórias. Do outro lado dos prédios de tapetes luxuosos do legislativo está encastelada em suas mordomias uma casta de nababescos que nem está ai para o povo, e vota matérias e reformas conforme a dança dos mandantes aristocratas, burocratas e oligarcas do país. Repudiamos esta inquisição do Supremo.

 

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia