abril 2019
D S T Q Q S S
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

:: 11/abr/2019 . 23:09

JÚLIO CÉSAR E O TRIUNVIRATO QUE LEVOU ROMA A UMA GUERRA CIVIL

macariojeremias@yahoo.com.br

O grande general calculista e ardiloso Caio Júlio César combateu vários inimigos, como Pompeu; subjugou o Senado; impôs suas leis e reformas; dominou o poder com mão de ferro; e terminou sendo assassinado por gente que vivia ao seu lado. Depois da sua morte, isto por volta dos anos 40 a.C., o reino foi dividido por ambiciosos que levaram Roma a uma guerra civil. Ali nasceu a ideia de mudar o império para o Oriente.

Lépido, Marco Antônio (astuto não confiável) e Otávio, o Otaviano Augusto (sobrinho ou filho de Júlio César) formaram um triunvirato de intrigas e acordos não cumpridos que levaram Roma a uma guerra civil entre seus exércitos. Otávio levou a melhor contra Antônio que queria o trono, conservando Roma no seu nível de império mundial.

Quem conta essa história em seus detalhes, mostrando as circunstâncias políticas e econômicas da época é o pesquisador e historiador M. Rostovtzeff em “História de Roma”.  Indro Montanelli também dá a sua versão de uma forma mais empolgante, destacando as figuras ímpares de Júlio César e Otávio, com algumas curiosidades a mais. Vamos aos fatos desses personagens que se imortalizaram na história.

O ódio partidário

De acordo com Rostovtzeff, Roma e a Itália viviam o ódio partidário entre o grupo popular (democratas) e os aristocratas que odiavam o Senado. Os distúrbios eram fortes entre a multidão de escravos. A tentativa de melhorar as condições sociais e econômicas dos cidadãos foi esquecida. A Constituição do Senado e de Sila tinha muitos inimigos.

Entre aqueles que ambicionavam o lugar de Sila havia um homem jovem e hábil chamado Pompeu. Conquistara sua posição graças ao seu desempenho nos períodos revolucionários. Combateu ao lado de Sila durante a guerra civil anterior. Pela sua atuação, foi enviado à Sicília e à África para combater os exércitos democráticos.

Ao voltar, recebeu o nome de “O Grande”, e a honra da marcha triunfal, recebido como herói, mesmo sem ter direito a ela por não ser magistrado, nem ter sido vencedor do inimigo estrangeiro numa guerra justa (bellum iustum). Quando Sila morreu, Pompeu estava na Itália, comandando um exército, e o Senado o usou para esmagar a tentativa revolucionária de Lépido. Pompeu exigiu um comando na Espanha para combater Sertório. A guerra na Espanha arrastou-se por sete anos, de 78 a 72 a.C.

Diante das crises no Leste e no Oriente, Pompeu e Crasso se juntaram para enfrentar o Senado, atraindo os cavaleiros (homens de negócios) e os democratas. Isso mostra como os programas políticos e a ideia do bem comum foram superados pela ambição pessoal dos chefes militares. O Senado foi obrigado a ceder. Pompeu e Crasso foram cônsules em 70ª.C. A anarquia política que Sila contornara, voltou a reinar em Roma.

Em 67 a.C., com apoio dos tribunos, Pompeu recebeu poderes extraordinários para eliminar os piratas no Mediterrâneo e realizou a tarefa com êxito, tanto que substituiu Lúculo no comando contra Mitridates no Leste. Em pouco tempo conseguiu o controle total sobre todo o Leste. Em seguida, anexou as províncias orientais de Roma como partes do reino sírio, incluindo a Judéia e Jerusalém.

Em Roma, os democratas, cujo líder político era Júlio César, tentavam acabar com a Constituição de Sila, mas pairava a ameaça de uma segunda ditadura quando Pompeu voltasse. Ele foi um coadjutor de Sila. O Senado também desconfiava dele. Encontraram em Sérgio Catilina, aristocrata arruinado, homem de ambição que possuía grande influência sobre os jovens nobres empobrecidos e sobre a ralé da sociedade em Roma, um instrumento para aumentar a agitação. Na verdade, ele queria ser cônsul.

:: LEIA MAIS »

ASSIM NASCEU CONQUISTA

Foto reprodução de José Silva. Assim nasceu a vila do arraial de Conquista  que hoje é a terceira maior cidade da Bahia, cheia de progresso, mas também de problemas de infraestrutura para serem resolvidos pelos governantes e pela sociedade. Conquista espera por todos.

SUA IMAGEM

Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário

Fui fluir a saudade no vento

(do campo).

Nas flores perfumadas do sertão

(em cores),

vi sua imagem toda colorida

(do verde verão).

Fui buscar o sentido da vida

(nos espinhos).

Os pássaros em festa voaram

(de seus ninhos),

e lá na barragem estava sentada

(na mesa de sempre).

Mirei a paisagem para encontrar

(a paz).

Meu pensamento voou até as nuvens

(de cera),

e sua imagem esculpida na pedra

(faceira).

As árvores viçosas brotaram

(da seca).

Quero consumir todo o seu amor

(por inteira).

Não consigo descolar sua imagem

(dessa minha viagem).

0 ABANDONO DO “CARLOS JEHOVAH” E OS PROBLEMAS NA EDUCAÇÃO

O vereador do PT, Coriolano Moraes, denunciou, ontem (dia 10/04), na sessão da Câmara Municipal de Vitória da Conquista, o estado lamentável em que se encontra o Teatro Carlos Jehovah onde falta até o básico para os artistas e o público quando acontece um show no local. Disse que a casa de espetáculo foi abandonada pelo poder público, destacando a inexistência de segurança durante a noite, e equipamentos como banheiros e o camarim sujos e sem materiais de uso.

Numa conversa rápida com o radialista Wilson Brasil, da FM Melodia, ele resumiu numa só frase que toda Conquista sabe da situação precária do Teatro. No último sábado, dia 06/04, aconteceu o show “Cantorias A Estrada”, e os artistas que participaram do evento ficaram decepcionados com o quadro de abandono, sem vigias e sem um administrador para cuidar e zelar pelo estabelecimento cultural.

EDUCAÇÃO

Sem educação não existe cultura, e é isso que está ocorrendo em Conquista, na Bahia e no Brasil em geral. Na mesma sessão da Câmara, a presidente do Sindicato dos Professores do Município, Ana Cristina Silva Novais, ocupou a Tribuna Livre para criticar os problema na educação e solicitar dos parlamentares ajuda para encontrar as soluções.

De acordo com ela, o ano letivo de 2019 teve início com problemas ainda maiores do que no ano passado, sobretudo nas questões do transporte escolar e até na falta de merendeiras. Denunciou que não existe diálogo entre os professores e a equipe do prefeito Herzem Gusmão, principalmente no tocante ao plano de saúde e de carreiras.

Em seguimento à sua palavra, citou que o projeto “Conquista Criança” está abandonado e prestes a fechar as portas. “O projeto não pertence ao prefeito, mas à sociedade, e os pais estão preocupados e não puder contar mais com o Conquista Criança”, criado nos anos 90 no governo de Guilherme Menezes.

O parlamentar David Salomão bradou da Tribuna sobre a falta de segurança na cidade, apontando que Conquista está entre as 50 cidades mais violentas do Brasil, e culpou o prefeito pela situação, dizendo que quando foi eleito, sugeriu a ele a criação de uma Secretaria de Segurança e a implantação de uma polícia municipal, mas não foi ouvido. Segundo ele, a única coisa que o executivo fez até agora foi instalar a indústria das multas para atanazar os cidadãos e arrecadar mais dinheiro. “Precisamos de um prefeito de verdade”.

Outras questões foram abordadas, como a falta de água na zona rural, pelo vereador Bibia; o abandono da parte oeste da cidade, por Nildma Ribeiro; e Lúcia Rocha pediu a implantação de um SAC no Bairro Brasil. Cícero Custódio também defendeu mais atenção por parte do poder público para com a zona oeste.

Na ocasião, a Câmara de Vereadores prestou uma homenagem ao juiz Reno Soares, da Vara Criminal de Conquista, pelos serviços prestados com seriedade e retidão à comunidade. Há dez anos, o juiz atua em Conquista realizando um trabalho de destaque, sempre ágil em suas ações contra a criminalidade.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia