março 2019
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

:: 27/mar/2019 . 22:36

EDUCAÇÃO E MUDANÇA DO TERMINAL EM DEBATES NA CÂMARA MUNICIPAL

O caos na educação com a falta de transportes para os professores e até de merendeiras, sem contar a estrutura inadequada nas escolas municipais foi o tema dominante na sessão de ontem (dia 27/03) na Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista, mas também a mudança do Terminal da Lauro de Freitas e a deficiência do transporte coletivo da cidade foram colocadas em questão.

Na sessão passada, a Casa recebeu alunos e professores do colégio do distrito de Cercadinho para reclamar da exoneração de um diretor e reivindicar melhorias no ensino. Ontem foi a vez dos estudantes e mestres da Escola Estadual Sá Nunes que se fizeram presentes para conhecer os trabalhos do legislativo e criticar o Terminal e a precariedade no sistema de transporte de Conquista que só tem uma empresa atuando.

Os vereadores da oposição e até alguns da situação engrossaram em seus pronunciamentos com relação ao atual quadro de desordem na educação, e admitiram também que o transporte coletivo necessita de urgentes providências por parte do poder público. A transferência do Terminal de Ônibus do centro para outro local recebeu adesão da maioria.

Acompanhado da professora do “Sà Nunes”, Paula Babilônia, o aluno Jean Souza usou a Tribuna Livre para apontar os principais problemas do transporte coletivo em Conquista e defender a mudança do Terminal Lauro de Freitas, o qual não oferece mais condições aos usuários em r5azão,  principalmente, da poluição do local e aos constantes engarrafamentos.

O parlamentar Álvaro Phiton lembrou que no mandato passado do prefeito defendeu a existência de três empresas de ônibus, mas não foi escutado e nem recebeu o apoio dos colegas. Ele falou ainda da educação e opinou que os diretores das escolas só sejam substituídos em dezembro.

Hermínio Oliveira citou que hoje só existem 120 ônibus rodando, e se colocou a favor da construção de outro Terminal, porque o atual não suporta mais a demanda e só apresenta transtornos. O vereador Cícero Custódio seguiu na mesma linha, dizendo que as pessoas disputam espaço no Terminal para pegar o transporte.

Sobre a educação, reconheceu que o setor vive um caos, e que não se pode ficar o tempo todo culpando os governos passados. “Estamos aqui para defender o povo”.  Valdemir Dias fez duras críticas aos problemas da educação, condenando as mudanças de secretários que já está no terceiro no governo de Herzem Gusmão, e acrescentou que o prefeito, ao invés de estar em Conquista, viajou para Salvador para fazer marketing. “Não se pode governar com amadorismo na terceira cidade da Bahia”. Coriolano Moraes expressou sua revolta sobre o descaso com a educação.

A vereadora Lúcia Rocha voltou a cobrar a requalificação do Parque da Lagoa das Bateias e anunciou que a prefeitura já tem um projeto para tornar o local num belo cartão postal da cidade. Danilo Kiribamba afirmou que a melhoria da Lagoa é uma luta nossa.  Quanto a educação, destacou ser uma vergonha para Conquista.

A CAÇADA DE ANÍBAL POR CORNÉLIO CIPIÃO

O historiador Indro Montanelli classifica o general Aníbal como o único militar que conseguiu vencer os romanos por quatro vezes consecutivas. Perdeu somente seis mil homens, dos quais quatro mil eram gauleses, não confiáveis. Seu maior segredo era a superioridade de sua cavalaria. Na época, muitos jovens romanos decepcionados pensaram em fugir para a Grécia.

O jovem Cipião reagiu. O povo aceitou novos impostos e sacrifícios. As nobres matronas levaram suas joias para o Tesouro e foram varrer o chão dos templos com seus cabelos. O governo ordenou o sacrifício de quatro vítimas e enterrou vivos dois gregos e dois gauleses. Os soldados recusaram o pagamento de seus soldos.

Voluntários de 13 e 14 anos se apresentaram para combater Aníbal que, ao invés de usufruir dos sucessos, preferiu descansar. Mandou para casa os prisioneiros não-romanos e exigiu em troca uma indenização. O Senado rejeitou e, como resposta, o general enviou para Cartago muitos deles como escravos. Outros foram ser gladiadores para diversão dos soldados. Esteve nas portas de Roma e depois marchou para o leste, em direção a Cápua.

Os romanos não o perseguiram e foram organizar um exército de 200 mil homens. Uma parte ficou com Cláudio Marcelo para colocar ordem na Sicília, outra ficou na cidade, como segurança, e a outra foi entregue aos dois Cipiões para combater Asdrúbal, na Espanha.

No ano seguinte, Marcelo conquistou a Siracusa que traíra a aliança e tentara resistir com a astúcia de Arquimedes, o maior inventor da antiguidade, como “as mãos de ferro” (guindastes) que levantavam os navios romanos, e os espelhos ustórios que incendiavam os navios com a concentração de raios solares.

Os dois Cipiões derrotaram Asdrúbal na Espanha, bem como a reconquista de Càpua, em 211 a.C., justamente quando Aníbal se afastara, fingindo marchar contra Roma. Os dois morreram em combate e Públio Cornélio Cipião, o fomentador da resistência, com apenas 24 anos, teve que substituí-los, mesmo contra a lei.

Quando chegou a Cartagena sitiada, teve que atravessar a nada um pântano que se ligava ao mar, devido a profundidade da água. Para convencer os soldados da empreitada inventou uma lenda de Netuno, de que este se apresentou a ele em sonho e prometeu baixar o pântano. Não houve milagre algum. Os pescadores de Tarragona lhe explicaram sobre o jogo da alta e da baixa maré que seus veteranos ignoravam. Cipião dizia ser filho de uma serpente monstruosa na qual Júpiter se metamorfoseara.

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia