Se vivos fossem, um teria 172 anos de vida (impossível para os tempos atuais) e o outro 80 anos (possível). Ambos, cada um no seu estilo e no seu temperamento, eram indignados com as injustiças sociais, tanto no Brasil como na América Latina, há séculos espoliados pelas elites capitalistas que sempre não aceitaram a distribuição justa de renda. Temos as piores desigualdades sociais.

Estou falando dos baianos Antônio Frederico de Castro Alves, nascido em 14 de março de 1847, e do cineasta Glauber Rocha, que também veio ao mundo em 14 de março de 1939. Pouco lembrados e homenageados nos dias de hoje na Bahia e no Brasil que jogaram nossa cultura no lixo, para decantar e glorificar os deuses dos arrochas, dos pagodes e dos axés.

Na minha idade, não deveria estar mais me desgastando com isso porque as pessoas de hoje, principalmente nossos jovens, não querem mais ouvir nem ler sobre estes personagens da nossa história e de outros tantos que foram ícones da cultura e do saber. Lutaram bravamente pelas transformações sociais e se indignaram contra as mazelas dos nossos governantes.

Acredito que nesta data de 14 de março (ontem), nenhuma escola discutiu e prestou homenagens a esses dois ilustres baianos. Aliás, o Brasil não merece os heróis que teve porque seus filhos não têm história e pouco sabem sobre eles, nem o que fizeram pela nação. Hoje, o que mais se tem é ódio e intolerância. O maior argumento é chamar o outro de idiota, burro e imbecil. São justamente estes rancorosos os mais desprovidos de conhecimento e leitura. São desprezíveis.

ACADEMIA DE LETRAS DE VITÓRIA DA CONQUISTA

Mas, nem tudo está perdido. A Academia de Letras de Vitória da Conquista, fundada pelos nossos amigos Evandro Gomes e Rozânia Brito nos brindaram com uma discussão sobre a vida de Castro Alves e, claro, citamos também o baiano Glauber Rocha, diretor de Deus e o Diabo na Terra do Sol, O Dragão da Maldade, Terra em Transe e tantos outros filmes de denúncias das injustiças sociais.

Há 172 anos, Castro Alves foi um defensor da abolição da escravatura. Nos dias atuais, continuaria bradando contra ela que ainda está entranhada entre nos. Falaria da exploração do trabalho pelo capital, da corrupção, das tragédias anunciadas, da falta de educação e da violência que mata mais de 60 mil pessoas por ano. Mesmo de origem coronelista e aristocrática, seria  um subversivo revolucionário como foi com seu condorismo grandiloquente nas poesias do negro quando fez “A Canção do Africano” e “Vozes da África”.

Do grotesco ao sublime da sua poesia dramática, foi considerado o Victor Hugo brasileiro. Sua obra condoreira foi voltada para a vida e para a liberdade. “Os Escravos” e “Hinos do Equador” foram suas maiores obras póstumas. Em vida só escreveu “Espumas Flutuantes” quando nos seus últimos dias de vida veio do Rio de Janeiro para a Bahia num navio que soltava ondas flutuantes.

Faleceu em 6 de julho de 1871, com apenas 24 anos, mas deixou um grande legado para o Brasil e para a humanidade. Foi contemporâneo de Rui Barbosa, José de Alencar, Tobias Barreto e Machado de Assis, e aluno de Ernesto Carneiro Ribeiro, na Bahia, e de José Bonifácio, em São Paulo. Criou com Rui Barbosa a Sociedade Abolicionista de Recife onde estudou Direito. Escreveu a peça “Gonzaga ou a Revolução de Minas” que trata da Inconfidência Mineira.

Manuel Bandeira, que de início não gostou de suas poesias, escreveu o prefácio de “Poesias Completas de Castro Alves – Espumas Flutuantes, Os Escravos (Navio Negreiro) e a Cachoeira de Paulo Afonso”, da Ediouro.

Num dos trechos disse o poeta pernambucano: “Vulgarmente melodramático na desgraça, simples e gracioso na ventura, o que constituía o genuíno clima poético de Castro Alves era o entusiasmo da mocidade pelas grandes causas da liberdade e da justiça”.

É o que mais falta nos jovens e nos cidadãos de hoje que vivem encharcados de ódio e intolerância, criando monstros e contribuindo para que o país não tenha um futuro. No final do texto, Bandeira assinalou que o poeta tinha a maior força verbal e a inspiração mais generosa de toda poesia brasileira.