dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov   jan »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: 20/dez/2018 . 23:11

DE OLHO NAS LENTES

Foto de José Silva. Em nossas vidas temos várias estradas a seguir.  Cabe a escolha certa para não haver erros. Também, podemos dizer que cada um segue o seu caminho e devemos respeitar as opções, ou que todos nos levam a um só.

LÁGRIMAS DE MARIANA

Poema de Jeremias Macário inspirado no desastre ambiental da lama da Samarco em Mariana. A letra foi musicada élo cantor e compositor Dorinho e gravada no CD Sarau, projeto em andamento.

Ave, eterna Mariana!

Mãe santa teu nome!

Chove lágrimas

De lama e sangue

Do Fundão profano

Até o mar do mangue,

Levando sede e fome,

Um monte de usura insana,

De um capital desumano.

 

Do Doce azul das matas,

agora amarelo amargo,

Chove lágrimas de dor

Dos nativos aos gritos,

Do Bento mano barro,

Escombros de detritos

Que secaram os lares

De Colatina ao Valadares;

Contaminaram as lagoas

E as paisagens de Linhares.

 

Chove lágrimas de dor

Da igrejinha da praça,

Da terra sem as marés,

Do pescador em pranto,

Que vê no lodo da mina,

Pasta tóxica da Samarco

Até onde se fita a colina

Do índio nação Aimorés,

Senhores da flecha e do arco,

Filhos do Rio Doce e da caça.

 

Chove lágrimas de dor

Do cristalino da menina,

Da mãe flor Mariana,

Do lendário contador

De histórias de Resplendor;

Chora o São Francisco,

Choram as cordas da viola

Na poesia do cantador,

A triste canção de uma mina

Que um dia no estouro roubou

O sonho junto sonhado

De um povo bravo lutador.

CURIOSIDADES DO MUNDO GREGO – FILOSOFIAS E SABEDORIAS (parte XIX)

FILIPE E DEMÓSTENES

Quando Filipe subiu ao trono em 338 a.C.,a maior parte dos gregos desconheciam a Macedônia. Ainda menino, Filipe foi estudar em Tebas onde fez amizade com Epaminondas. Quando voltou a Pela (Macedônia) foi considerado sábio pelos pastores. Briguento e corpulento, conseguiu unificar a região e ser reconhecida pelo resto da Grécia.

De maneira rude, sabia mentir como o mais descarado hipócrita, sem escrúpulos. Em pouco tempo, levantou o mais formidável instrumento de guerra, a falange de dez mil homens e se apoderou de vários distritos de Atenas. Por questões de dinheiro, atenienses e espartanos se uniram contra a liga da Beócia e da Tessália. Derrotada, recorreu a Filipe.

Atenas acordou para a situação e recorreu à oratória de Demóstenes para despertar os cidadãos para o perigo que era a Macedônia. Dizem que ele era gago, mas se aperfeiçoou na fala usando pedrinhas na boca e declamava correndo morro. Muitas vezes se fechava numa caverna, barbeando só a metade do rosto, para vencer a tentação de sair.

Não precisando de dinheiro, dedicou-se a processos célebres, em defesa de clientes de alta classe, entre os quais a liberdade. Acusaram de defender a liberdade de Atenas contra Filipe para vendê-la aos persas, que lhe pagavam bem.

ALEXANDRE – Filipe colocou em liberdade os dois mil prisioneiros capturados e mandou para Atenas como mensageiro, seu filho Alexandre, de dezoito anos, que se cobrira de glória como general de cavalaria. Sua mãe Olímpia vivia nos mais desenfreados ritos dionisíacos. Uma vez, Filipe encontrou-a dormindo, na cama, ao lado de uma serpente. Disse que na serpente se encarnava o deus Zeus-Amon, o verdadeiro pai de Alexandre.

O primeiro mestre de Alexandre foi Leônidas para os músculos, Lisímaco para a Literatura e Aristóteles para a filosofia. O aluno era belo, atleta, cheio de entusiasmo e candura. Decorou a Ilíada. Muito orgulhoso como pai, certo dia Filipe disse: Meu filho, a Macedônia é muito pequena para ti. Uma vez, encontrou um leão e enfrentou armado só de punhal. Alexandre tinha um fraco por Atenas e, durante sua invasão, anistiou a todos. Tinha um dever para com ela quando ali estudou filosofia e literatura. Mais tarde, guerreando na Ásia, mandava os tesouros de arte para que ornassem a Acrópole de Atenas.

A Grécia deu a Alexandre vinte mil homens para reforçar seus dez mil de infantaria e cinco mil de cavalaria. Formou, portanto, trinta e cinco mil homens para enfrentar Dario com um milhão. Em 334 a.C., dois anos depois de subir ao trono, partiu para uma outra cruzada com fins de reunir a Ásia e a Europa.

“FOI VERDADEIRA GLÓRIA” – Conta o autor do livro “História dos Gregos”, de Indro Montanelli, que ao ver a multidão de seiscentos mil persas, Alexandre teve um momento de hesitação. Seus soldados gritavam: Anate general! Nenhum inimigo pode resistir ao cheiro do bode que temos. A derrota existiu, e Dario foi morto pela covardia de seus generais. Babilônia entregou-se sem resistência.

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia