Mais uma discussão em torno da isenção do imposto sobre serviço de qualquer natureza para a Viação Cidade Verde, a única empresa que hoje faz o transporte coletivo urbano de Vitória da Conquista, terminou em impasse entre vereadores durante a sessão de ontem (dia 05/12) da Câmara Municipal.

O vereador do PT, Coriolano Moraes, defendeu a isenção por seis meses justificando a falência do setor, da qual ele vem chamando a atenção há muito tempo, inclusive culminando com o fechamento da Viação Vitória que deixou centenas de funcionários desempregados e um rombo nas dívidas para com os fornecedores.

Na ocasião, foi sugerido pelo colega de partido Waldemir Dias, um aumento no imposto sobre serviços imobiliários, para compensar as perdas na arrecadação da Prefeitura Municipal com a isenção nos transportes públicos. Coriolano fez um apelo para que a Casa seja sensível à questão, mesmo reconhecendo que houve um recente reajuste nas tarifas de ônibus para os usuários.

O parlamentar David Salomão se posicionou totalmente contra a isenção do imposto, argumentando que não seria justo conceder uma benesse dessa natureza para uma empresa de transporte quando os passageiros tiveram que arcar com um novo aumento nos preços cobrados pela Cidade Verde. Outra questão abordada foi a demora na licitação do poder executivo para a escolha de uma nova empresa de ônibus para a cidade.

Os gastos em publicidade da Prefeitura também foram outro assunto tratado na sessão. Por sugestão de David Salomão, foi aprovado um requerimento para que o poder público, através da Secretaria de Comunicação, detalhe todas as despesas com publicidade. Salomão criticou a falta de transparência do site da Secretaria sobre os custos destinados às propagandas nas mídias.

Segundo ele, não existem informações precisas sobre os dispêndios com a divulgação nos veículos de comunicação. Neste aspecto, a Câmara de Vereadores também precisa dar seu exemplo neste item de transparência mais detalhada do seu site, com referência, não somente a salários de seus vereadores, como a verba de gabinete, número e nome de funcionários de cada parlamentar, com seus respectivos ganhos e o que fazem em suas funções. Quem vai cobrar?

Grupos de deficientes físicos estiveram presentes à sessão para chamar a atenção dos vereadores para o problema da falta de acessibilidade na cidade, e pediram apoio para que a sociedade em geral e o poder público proporcionem mais condições de locomoção dessas pessoas que têm encontrado dificuldade de transitar nas ruas diante de equipamentos inadequados e passeios quebrados, sem falar dos carros nas calçadas.