O Conselho de Cidadãos, fórum de combate à corrupção, bem que tentou, mas não conseguiu informações aos eleitores sobre gastos com pessoal dos servidores que “trabalham” nos gabinetes dos deputados das esferas federal e estadual.

Como na última eleição municipal, o propósito era de que o levantamento conseguisse medir a dificuldade de reunir dados nas casas legislativas, sem que a solicitação fosse encaminhada através de ofício. Tente fazer o mesmo com relação às câmaras municipais da sua cidade, como a nossa aqui de Vitória da Conquista.

Os voluntários do Conselho tentaram buscar informações sobre a lotação dos assessores, como data de contratação, exoneração, remuneração mensal detalhada, horário de trabalho e atribuições.

De acordo com a instituição, a solicitação foi entregue diretamente nos gabinetes de 33 deputados federais que buscaram a reeleição. Na Assembleia da Bahia, por exemplo, foram protocolados pedidos aos oito candidatos a federal.

Sem sucessos, a última tentativa pela adesão dos candidatos ao termo de compromisso foi feita aos partidos. Mesmo assim, a instituição não obteve êxito e, somente dois, que nunca exerceram mandato, se prontificaram a prestar esclarecimentos, caso fossem eleitos.

Segundo representantes do fórum, a falta de transparência confirma que os candidatos não assumem o compromisso porque não querem expor seus gastos. Até agora, ninguém apresentou um projeto de lei que obrigue o parlamentar a fazer o detalhamento de suas despesas com o cargo.

A Câmara dos Deputados informou que os dados de gastos podem ser acessados através da Lei de Acesso à Informação. Sobre outras informações, como remuneração, contratação de secretários, relação de funcionários e outros itens podem ser obtidos através do portal da Câmara. Quanto ao detalhamento, só com os gabinetes dos parlamentares. Os portais são confusos e não oferecem dados precisos, mas, de propósito, genéricos.

Diante desses obstáculos confirmados, fica, então, a pergunta: Por que eles se recusam ser transparentes, já que o dinheiro usado é do povo? Querem esconder tramoias e malfeitos? Subtração de salários para eles? Desvios de recursos para benefício próprio? Ou se sentem envergonhados em divulgar esses privilégios extras com a máquina de fazer votos?

Mais uma eleição foi realizada e segue a certeza de que nada mudará porque o sistema deformado mantém a mesma dinastia política da capitania hereditária. O próximo Congresso Nacional vai ser ainda mais conservador e espalhafatoso.