janeiro 2020
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


Sem Essa de Novo . Por Jeremias Macário

“ANDANÇAS” TAMBÉM É MÚSICA

Não são só causos, contos e histórias, numa mistura de ficção com realidade, o novo livro “Andanças”, do jornalista e escritor Jeremias Macário, também tem poemas, muitos dos quais começam a ser musicados por artistas locais e de outras paragens do Brasil, como de Fortaleza, no Ceará.

Do título “Na Espera da Graça”, que fala do homem nordestino que sempre vive a esperar por tempos melhores, o cantor, músico e compositor Walter Lajes extraiu de sua viola uma bela canção, numa parceria que fez com o autor, com apresentação em vários festivais.

O músico e compositor Papalo Monteiro se interessou por “Nas Ciladas da Lua Cheia”, uma letra forte que descreve os políticos na figura de bichos que, de quatro em quatro anos, aproveitam as eleições com promessas vãs para se elegerem.

Tem “O Balanço do Mar”, um xote que lembra passagens de nossas vidas, e “Lágrimas de Mariana”, um belo poema triste sobre a tragédia do rompimento da barragem da Samarco, lá em Mariana (MG), musicados e cantados pelo amigo parceiro Dorinho Chaves.

Lá de Fortaleza, Ceará, os companheiros Edilson Barros e Heriberto Silva realizaram uma parceria musical aproveitando a letra “A DOR DA FINITUDE”, que versa sobre um tema que pouca gente gosta de abordar, que é a morte, e filosofa que tudo passa, tudo muda e tudo se transforma. Outros poemas estão sendo trabalhados para entrarem no rol das letras musicadas, inclusive do novo livro “ANDANÇAS”.

Conheça o Espaço Cultural “A Estrada”

Com 3.483 itens entre livros (1.099), vinis nacionais e internacionais (481), CDs (284), filmes em DVDs (209), peças artesanais (188) e 106 quadros fotográficos, dentre outros objetos, o “Espaço Cultural a Estrada” que está inserido no blog do mesmo nome tem história e um longo caminho que praticamente começou na década de 1970 quando iniciava minha carreira jornalística como repórter em Salvador.

espaco cultural a estrada (5)

Nos últimos anos o Espaço Cultural vem reunindo amigos artistas e outras personalidades do universo cultural de Vitória da Conquista em encontros colaborativos de saraus de cantorias, recitais poéticos e debates em diversas áreas do conhecimento. Nasceu eclético por iniciativa de um pequeno grupo que resolveu homenagear o vinil e saborear o vinho. Assim pintou o primeiro encontro do “Vinho Vinil” com o cantor e compositor Mano di Sousa, os fotógrafos José Carlos D`Almeida e José Silva entre outros convidados.

CLIQUE AQUI para saber mais sobre o espaço cultural de Jeremias Macário.

CONQUISTA, CIDADE DOS QUEBRA-MOLAS

 

Carlos Albán González – jornalista

Tornar-se a capital de um estado, que incluísse o sul e o sudoeste baianos, é a ambição da maioria dos 338.480 habitantes de Vitória da Conquista. O caminho até lá não depende somente da amabilidade do seu povo e do sabor do seu delicioso café. Há necessidade de se afastar alguns obstáculos. Um deles, é a falta de um plano de mobilidade urbana, solicitação feita pela Prefeitura, em fevereiro passado, à Fundação de Engenharia Politécnica.

Na proposta, em fase de elaboração, haverá certamente um capítulo alusivo aos incontáveis quebra-molas das ruas e avenidas de Conquista. Execrados por urbanistas, essas aberrações usadas no passado se constituem num entrave à execução de um moderno plano de mobilidade urbana.

Instalados em vias públicas, rodovias e condomínios residenciais, construídos em concreto ou asfalto, os enervantes quebra-molas, – também chamados de lombadas, lombas e onduladores transversais -, são as principais reivindicações das câmaras municipais aos prefeitos de nossas cidades. Significam uma espécie de “recompensa” aos eleitores que lhe deram uma sinecura por quatro anos.

Vitória da Conquista não foge a essa realidade. Construídos sem autorização e fiscalização do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), e sem obedecer às normas do Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), esses importunos obstáculos estão em toda parte, causando danos materiais, físicos e ambientais, e até mortes, aos seus moradores. A média de implantação das lombadas nesta cidade, sem observância de sinalização, é de uma por semana. Mais de 200 pedidos aprovados pelos vereadores aguardam despacho favorável da Secretaria Municipal de Mobilidade

Urbana.

“A lombada física pune 100% dos motoristas, e não somente os que infringem a lei”, observa o catarinense Rudolf Clebsch, especialista em Trânsito. No site www.ctbdigital.com.br encontramos as seguintes informações: ao passar sobre um quebra-mola o veículo consome duas vezes mais combustível e duplica a liberação de gases poluentes, como o CO2 (gás carbônico), segundo estudo da organização britânica “Automobile Association”; aumenta o ruído, provocado pela frenagem e aceleração; o sistema de suspensão do veículo, o cárter do motor e a caixa de marchas sofrem um maior desgaste; acarreta desconforto aos ocupantes do veículo, principalmente às crianças acomodadas nas cadeirinhas, no banco traseiro; não é recomendado em vias que servem de rotas de ônibus; prejudica o deslocamento rápido de veículos de emergência (ambulâncias e viaturas policiais e do Corpo de Bombeiros).

Além dessas observações inseridas no CTB, as editorias policiais dos órgãos de comunicação constantemente publicam notícias de assaltos a carros-fortes e carretas, nas rodovias, justamente nos pontos de lombadas, onde os motoristas são forçados a usar a marcha bastante lenta. Aqui, em Conquista, tenho notado que os quebra-molas, quase todos sem sinalização e sem pintura, colocados na Avenida Juracy Magalhães e na BR-116 (trecho que corta a cidade), favorecem a ação dos assaltantes.

“As ondulações transversais, mais conhecidas como quebra-molas, redutores de velocidade ou lombadas, estão proibidas pelo CTB, salvo em casos especiais, definidos pelo órgão ou entidade competente”. Esta norma do Contran regulamenta os casos especiais e determina os padrões e critérios para a implantação desses equipamentos. Os do tipo 1 (para as vias urbanas) devem ter 8 cm. de altura e 1,5 m. de largura; os do tipo 2 (para as estradas), 10 cm. de altura e 3 m. de largura.

Para conhecimento das autoridades municipais, o CTB, em seu artigo 94, esclarece que, aprovada a necessidade de se construir uma lombada, a obrigação pela sinalização é do responsável pela execução da obra. O descumprimento dos artigos 93 e 94 é punido com multas, que variam de R$81,35 a R$488,10. “independentemente das cominações cíveis e penais cabíveis”. O servidor público que “fechar os olhos” para tais irregularidades também é passível de sanção administrativa.

A legislação prevê que as pessoas físicas ou jurídicas que se sentirem prejudicadas – veículos danificados e vítimas de acidentes –, ao trafegar sobre as lombadas, têm o direito de mover ações na Justiça contra os órgãos de trânsito ou contra as prefeituras.

Na maioria dos casos, as vítimas não se sentem dispostas a reclamar, por conhecerem a morosidade da Justiça no Brasil. No meu tempo de repórter da Sucursal de Salvador do “Estadão” soube que o proprietário de um carro invadiu o prédio da prefeitura, na Praça Municipal, e colocou sobre a mesa do prefeito e radialista (colega de Herzem Gusmão) Fernando José Guimarães Rocha (1943-1998) o que restou de um pneu rasgado por um buraco na via pública. Eu não aconselho o conquistense a cometer esse extremo, o que transformaria o gabinete do nosso prefeito em loja de sucatas.

Observamos que, apesar da existência de uma legislação, as prefeituras continuam atendendo aos pedidos eleitoreiros dos vereadores. Ao mesmo tempo, os departamentos estaduais de Trânsito (Detrans) não exercem a função de impedir a instalação desses enervantes equipamentos, ou de determinar a destruição dos considerados irregulares, substituindo-os por guardas de trânsito (mais 100 serão contratados em Conquista) e pela Guarda Municipal, recentemente criada nesta cidade.

 

 

TRABALHO ESCRAVO E BESTEIROIS

O auditor fiscal da Superintendência Regional do Trabalho na Bahia, Alison Carneiro, está lançando o livro “O Combate ao Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil” onde traça um panorama do problema no país e aponta que, mesmo com os avanços na área, as investidas do capitalismo selvagem e ganancioso contra os trabalhadores não param.

Numa entrevista a um jornal da capital, ele confessa que não esperava vivenciar a rapidez e o tamanho retrocesso na proteção ao trabalho que estamos vivendo. Para ele, a extinção do Ministério do Trabalho foi um duro golpe no equilíbrio das relações de trabalho no país. “O trabalhador perdeu a referência de um órgão que cuidava de seus interesses”.

Em sua opinião, o que mais preocupa são os retrocessos que vêm ocorrendo desde 2012 quando todos os indicadores de repressão passaram a cair. Destaca que houve uma redução do número de fiscalizações, de trabalhadores resgatados e de auditores fiscais nomeados. Hoje, de acordo com o estudioso, temos menos auditores no órgão do que tínhamos em 1995. No entanto, o número de empresas multiplicou por uma dezena de vezes. Existem mais de 1.200 cargos vagos.

A escravidão contemporânea não acontece somente na área rural, mas também no ambiente urbano, como na atividade doméstica, na construção civil, extração de madeira e confecção de vestuário. A submissão de trabalhadores em condições de escravidão está em qualquer lugar.

Carneiro citou que a The Walt Free, que estuda o tema mundialmente, estimou que no Brasil havia cerca de 369 mil pessoas vivendo em regime de escravidão em 2018. Em sua análise, o número é muito alto, e a Bahia está inserida neste contexto. A situação só tem piorado, principalmente depois da reforma trabalhista aprovada no governo Temer, e com o atual de linha fascista de extrema-direita.

BESTEIROIS

Bem, mudando de um assunto para outro, sabemos que o Brasil tem um baixo nível cultural, e isso está caracterizado pelas buscas que são feitas na internet, na maioria besteiróis, ou temas que não estão relacionados ao conhecimento mais aprofundado do saber escolar, como fontes para aprendizagem do indivíduo.

Uma pesquisa constatou que no ano passado, os assuntos mais procurados na ferramenta Google Trends foram Copa América, Tabela do Brasileirão, Gugu Liberato e Gabriel Diniz. Dentre as perguntas mais buscadas, em primeiro lugar foi o WhatsApp, ou o motivo da rede de mensagens ter parado de funcionar. Por que o Japão está na Copa América e por que Carlinhos Brown saiu do The Voice? – foram outras principais perguntas feitas.

Dentre os acontecimentos mais pesquisados no Brasil em 2019, o futebol aparece no topo, com a Copa América em primeiro lugar, seguida da Copa do Mundo de Futebol Feminino e sobre a Libertadores. Isso é o retrato de um país, cujas pessoas relegam suas histórias e nem estão ai pra política ou questões socioeconômicas do seu povo.

 

 

A MISÉRIA NA BR

Há anos, talvez quando a BR-116 (Rio-Bahia) foi construída, no início da década de 60, o quadro de pobreza extrema, ou miséria, é o mesmo de sempre, e só faz piorar com a concentração dos “miseráveis” dos capitalistas predadores que não querem reduzir as profundas desigualdades sociais. São crianças, que deveriam estar nas escolas, e idosos pedintes por migalhas que, às vezes, são jogadas por motoristas compadecidos. O flagrante está sempre lá na descida próxima à cidade de Manoel Vitorino, e foi registrado pelo jornalista Jeremias Macário, que tem fotos idênticas tiradas há 30 anos. Os  governos passam e a miséria em nosso país só faz aumentar, e o silêncio dos que deveriam se revoltar e protestar para mudar este sistema estúpido é ensurdecedor. Até quando vão abusar da nossa paciência? Até quando vão criar mais e mais excluídos da nação, a qual não cuida de seus filho esfarrapados e com fome. É uma vergonha e não se pode ter orgulho de um país de milhões vivendo na miséria.

 

VIOLAÇÃO

Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário, publicado em seu livro “Andanças”

Mesmo o mais contrito do santo,

tem no seu lamento o seu pranto,

com a revolta varando o seu peito

pela violação sagrada do direito.

 

A alma em secura não mais chora;

tortura do pau-de- arara e choque;

abafa os gritos, a censura lá fora,

calando canção suingada do Rock.

 

Nos porões desaparecem os mortos,

na selva sepultam quebrados corpos,

sem punição, sangrados como porcos.

 

A justiça cheira como um coliforme,

e nas cadeias simulam os suicídios,

com mentiras impostas pelo unifor

A EXTINÇÃO DOS JEGUES EM QUATRO ANOS

Com a liberação do abate pelos frigoríficos (três na Bahia), os jumentos, jegues ou asnos, parte da cultura e da história nordestina, estarão extintos dentro de mais quatro anos, conforme avaliação feita pela Frente Nacional de Defesa dos Jumentos, composta por organizações de proteção dos animais.

Os governos estadual e federal resolveram liberar o abate para os estabelecimentos localizados em Itapetinga, no sudoeste, Amargosa e Simões Filho, que comercializam a carne e a pele para os chineses, utilizados na culinária e para obter o Ejiao, produto que serve para tratar de problemas de anemia, insônia e impotência sexual, segundo a medicina chinesa.

Como explicou a coordenadora do movimento da Frente Nacional de Defesa dos Jumentos, Gislene Brandão, “a gente tem uma tradição de cuidar desses animais, pois eles são como membros das famílias em muitos lugares. Temos lutado contra a escravização deles e defendido a criação de um santuário. No entanto, para nossa surpresa, em vez do santuário, o governo fez foi autorizar o abate”.

Argumento de empregos

O capital mesquinho e a pequena geração de empregos estão acima da sobrevivência desses animais, que são símbolos do Nordeste. Foram trazidos pelos portugueses para o Brasil há 500 anos e se adaptaram muito bem na região seca onde, com suas cangalhas, são utilizados para o transporte de cargas.

Com esse argumento fajuto, insensível e desumano, o diretor geral da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Maurício Bacelar, defende a comercialização. De uma forma contraditória, diz que a intenção é preservar a espécie, mas não podemos nos dar ao luxo de perder cerca de 250 empregos que um frigorífico proporciona.

Além do mais, de acordo com ele, o país não pode abrir mão de uma receita de exportação, que deve ser uma quantia insignificante diante do montante que o país vende em forma de matérias-primas para o exterior.

Aliás, o Brasil continua sendo um país de economia atrasada e arcaica que, praticamente, só exporta produtos primários, como grãos, ferro, petróleo cru e carnes, incluindo agora no pacote a dos jegues.  Isso denota insensibilidade, fraqueza e ganância exagerada por parte dos governos e dos empresários. Muitos afirmam ainda que esta carne de jumento é dada aos chineses como brinde para atrair novos investimento.

O diretor da Adab, um órgão do governo estadual do PT, dito de esquerda, declarou ainda que está estudando junto ao Ministério da Agricultura (governo de extrema-direita), uma portaria para regulamentação do abate desses animais para que possamos tomar todos os cuidados para o seu bem-estar. Irônico que esse bem-estar de que ele fala é justamente matar e exterminar de vez os pobres e inocentes jumentos.

BAIXA TRANSPARÊNCIA NA BAHIA, MAS CONQUISTA SUPEROU AS EXPECTATIVAS

Os municípios de Euclides da Cunha e Santo Estevão são os que registraram mais baixa transparência na Bahia e no Brasil, segundo avaliação feita pela Controladoria Geral da União, em 2018 e atualizada em 2019, com cidades acima de 50 mil habitantes. Com mais transparência ficou Vitória da Conquista, em segundo lugar em todo Nordeste e sétimo no país.

A Lei da Transparência, 131/2009, determina que os municípios devem detalhar e disponibilizar informações sobre execução orçamentária e financeira em seus sites a todos os cidadãos. No entanto, na Bahia, como em outros estados, os dados são vergonhosos quando se trata de clareza sobre gastos públicos e práticas de corrupção.

Um jornal da capital publicou uma matéria onde mostra que Euclides da Cunha apresentou pontuação abaixo de 2 (a média nacional é de 6,5). Com isso, a cidade baiana foi classificada entre as 10 menos transparentes no Brasil (sexto lugar). Já Santo Estevão teve o pior desempenho entre todos os municípios da Bahia, e a terceira menos transparente do Brasil.

Em todo país, os piores desempenhos foram registrados em Santana, no Amapá, e Manacapuru, no Amazonas. Quanto a estrutura interna de combate à corrupção, outras cidades baianas se mostraram despreparadas, conforme mostrou um levantamento do Instituto não Aceito Corrupção, com 1651 cidades, feito entre novembro de 2018 e agosto de 2019.

Além de Conquista, bem avaliada – não se pode dizer o mesmo da Câmara de Vereadores onde não se sabe o salário dos parlamentares, número de assessores, quanto ganha cada um e outros itens essenciais – Salvador obteve 8,79, acima da média dos municípios brasileiros e dentro da média das capitais, ou seja, 8,4.

A pesquisa do Instituto apontou que a segunda maior cidade da Bahia (Conquista é a terceira), Feira de Santana não conta com ouvidoria, corregedoria, auditoria governamental, programa de integridade pública e código de ética. Por lá, no ano passado, uma investigação do Ministério Público constatou a existência de uma quadrilha responsável por desviar recursos da saúde pública, num montante de 100 milhões de reais.

De acordo ainda com o Instituto, 82% das gestões baianas não contam com programas de integridades que ajudam na detecção de fraudes nos processos de execução e licitação de contratos. Outra situação é que 59 dos municípios não possuem auditoria. Para especialistas no assunto, apesar da lei, não foi instituído no Brasil a cultura da transparência. Ainda estamos muito longe do patamar desejável.

Além da lei, o cidadão pode ainda recorrer à Lei de Acesso à Informação, número 12.527, de 18/11/2011. Essa lei oferece respaldo para que qualquer pessoa física ou jurídica solicite informações aos órgãos públicos, que têm prazo de 20 dias para dar uma resposta, podendo ser prorrogado por mais 10 no site www.esic.cgu.gov.br, ou presencialmente.

 

 

A GUERRA DOS TRAPALHÕES

Ciro, o Grande, o rei persa, o hoje Irã, invadiu toda a Mesopotâmia e a Babilônia, de Nabucodonosor, e liberou os judeus cativos para que voltassem para suas casas na Judéia, na Palestina. Eram os anos 500 ou 400 a.C. Muito tempo depois, veio o sanguinário Xerxes e dominou o território da antiga Grécia, destruiu templos e escravizou muita gente. Apesar de invasor, Ciro tentou estabelecer o convívio entre os povos de diferentes tribos e reis.

Séculos d. C., o reino persa, constituído por pastores, foi dividido e ficou o Irã que adotou o islamismo xiita, se radicalizando e mantendo ainda aquele sangue guerreiro de anexar aquela vasta área da Mesopotâmia, do Iraque até a Síria, mas encontra um inimigo forte que é o povo judeu de Israel, aliado dos Estados Unidos, invasores e imperialistas de várias partes do mundo, inclusive, por muito tempo, controladores dos destinos iranianos até o final dos anos 70 do século passado.

De um lado os norte-americanos, sempre prepotentes que já esmagaram vários países indefesos, como na Ásia, na África e América Latina (tomou parte do México), e do outro, o Irã, que nos primeiros dias deste ano protagonizaram uma guerra de trapalhões, que deixou a humanidade em polvorosa e em pânico por causa de uma hecatombe nuclear (Rússia e China são seus aliados).

O Trump maluco nacionalista, de linha fascista, mandou explodir o maior líder guerreiro do Irã, alegando que ele estava planejando bombardear embaixadas de seu país e outros pontos estratégicos de suas bases do Iraque dividido. Os antigos persas prometeram vingança, só que nas trapalhadas do soltar de mísseis, um acertou em cheio um avião comercial de 176 passageiros que nada tinham a ver com essa briga de cachorros raivosos.

Já disse alguém que numa guerra, “a maior vítima é a verdade”, só que o governo iraniano resolveu assumir a culpa que foi mesmo um míssil seu que atingiu o Boeing. Parte do seu povo, que já vive sob constante pressão, decidiu ir às ruas protestar pela trapalhada de seus líderes maiores, responsáveis pelas mortes de muita gente. Ai, tome bordoada e pau em seus compatriotas.

O ianque impiedoso deve ter mentido e cometeu também sua trapalhada, dizendo ao mundo que iria enviar foguetes para destruir lugares históricos do Irã, se fosse atacado. Suas bases foram alvejadas e, no lugar de guerrear, mandou aplicar mais sanções econômicas, fazendo sofrer a população civil, sempre a sacrificada pelos desatinos dos criminosos radicais trapalhões.

O Iraque vive espremido entre um e outro, e também comete suas trapalhadas porque não consegue expulsar os norte-americanos que fincaram suas bases em seu território devastado pelos membros estúpidos e sanguinários do Estado Islâmico, que muito lembram reis sumérios que destruíam tudo por onde passavam, degolando as populações, inclusive mulheres e crianças.

Vivemos hoje num planeta de trapalhões retrógrados, bárbaros e extremistas no poder que disseminam as discórdias, as divisões e têm sede de sangue. Eles só pensam em acelerar as guerras para comercializar mais armas, produzir mais substâncias tóxicas no meio ambiente, e nem estão ai para o aquecimento global, este sim, não é nada trapalhão, e vai acabar com a vida na terra.

 

MASCATEANDO “ANDANÇAS” EM 2020

Sei que fazer cultura neste país dos retrocessos, com os inimigos para travar nosso trabalho, é o mesmo que dar murro em ponta de faca, mas nossa resistência sempre quebra barreiras para vencer as intempéries. Continuo na trilha difícil de divulgar e vender o meu último livro “Andanças”, lançado no final do ano passado, e ainda publicar uma coletânea dos meus melhores poemas que já fiz em vida. Por enquanto, vou por ai mascateando “Andanças” em 2020. Adquira seu exemplar.

No entanto, tenho consciência de que para realizar esta árdua tarefa só será possível com apoio dos leitores e amigos, colaborando com a aquisição da obra “Andanças” , que pode ser encontrado na Livraria Nobel, na Banca Central, da Praça Barão do Rio Branco, ou através do próprio autor nos contatos por e-mail macariojeremias@yahoo.com.br e pelo telefone 77 98818-2902.

Linguagem acessível e prazerosa

Uma mistura de ficção com realidade, o livro apresenta uma linguagem acessível e prazerosa na forma de contos, causos, histórias reais e poemas que falam de sentimentos, de amor, ódio, desejos, questões sociais, de fatos das nossas vidas cotidianas, tristezas, alegrias e sobre política, com críticas contra as injustiças, a corrupção e os desmandos do poder. A obra descreve também histórias curiosas e irônicas que aconteceram durante a ditadura civil-militar de 1964.

Dividido em dois (Andanças e A Estrada), o livro não tem uma sequência linear, sem regras acadêmicas, e pode ser lido de qualquer parte porque as histórias, os causos e as crônicas são separadas. As narrativas têm base real, que exigiram um trabalho de pesquisa para serem elaboradas. Muitos dos poemas publicados foram, inclusive, musicados por artistas e compositores locais e de outros estados.

Além de “Andanças”, o escritor e jornalista Jeremias Macário é também autor dos livros “Terra Rasgada”, “A Imprensa e o Coronelismo no Sertão do Sudoeste” e “Uma Conquista Cassada – cerco e fuzil na cidade do frio”, um trabalho que demandou cinco anos de pesquisas, para descrever, de maneira realista, como ocorreu a ditadura em Vitória da Conquista, na Bahia, no Brasil e até em países da América do Sul, como Uruguai, Argentina e no Chile.

Esta obra está sendo indicada em escolas e universidades por professores de história. O escritor não pretende parar em “Andanças” e já pensa em reunir uma coletânea de poemas e escrever um romance, baseado em episódios reais da nossa história. “Andanças” é uma cachoeira de imaginação e criatividade como num realismo fantástico.

TRISTE SINA DO NOSSO SÍMBOLO NORDESTINO

No sol escaldante, na chuva ou na lama com sua cangalha, lá estava ele com meu pai transportando mandioca da roça para o processamento, sacos de farinha, feijão e milho para as feiras da cidade de Piritiba e o distrito de Andaraí. Eu ainda era menino e, mesmo assim, nós três éramos colegas inseparáveis de trabalho. Poucas vezes reclamava do peso e do cansaço, só era meio atrevido e, às vezes, fujão.

Nunca imaginava na triste sina da sua raça, de que um dia seria abatido em frigoríficos da Bahia e do Nordeste, e que seu escalpo e sua carne seriam vendidos para os chineses. Sua pele é aproveitada para produção de um tal Ejiao, uma gelatina usada na medicina e em cosméticos chineses, que movimentou o equivalente a 22 bilhões de reais em 2018. A carne, de acordo com reportagem de Alexandre Guzanshe, produzida pela WideAvenues em parceria com a Repórter Brasil (Joana Suarez), é um subproduto consumido no norte da China.

“DESENVOLVIMENTISTA”

Triste sina do nosso jumento, do jegue ou asno da espécie asinina, trazido para o Brasil pelos portugueses há 500 anos, e que se adaptou muito bem no semiárido nordestino, sendo o sustento e o braço forte do catingueiro e do sertanejo, principalmente nos tempos mais difíceis das secas, bem antes do aparecimento do ronco dos “gafanhotos motorizados” (as motos) que tomaram conta das cidades, das estradas e veredas da zona rural.

Esse símbolo nordestino, que está em extinção, é personagem histórica do Novo Testamento na travessia da Família Sagrada pelo deserto da Palestina ao Egito, para salvar o menino Jesus de uma perseguição. Aqui no Brasil, foi tema do filme “O Pagador de Promessa”, premiado no Festival de Canes na década de 60. O “Zé do Burro” fez de tudo e foi humilhado para pagar a sua promessa que fez à santa que salvou seu jumento de um raio.

O nosso jegue de carga, ou o nosso colega, morreu de velho, naturalmente, no pasto, mas não foi para o abate como era o destino de muitos que pereceram cruelmente num frigorífico lá em Senhor do Bonfim, na Bahia, há mais de 50 anos. Portanto, a prática da matança não é de hoje.

Lembro que meu pai escorraçou um sujeito malvado atravessador que queria levar o mano de trabalho para o escalpo macabro. “O meu morre no pasto, seu cabra assassino de jumentos” – bradou o meu pai, com muita raiva e revolta.  “Isto é o fim do mundo”

O símbolo do trabalho pesado no interior nordestino é “o maior desenvolvimentistas do sertão” – assim cantou o rei do Baião, Luiz Gonzaga. Como narra a reportagem, financiada por uma bolsa da The DonkeySanctuary, uma Ong britânica dedicada a promover o bem-estar dos jumentos, eles são populares na região do sisal (Cansanção, Euclides da Cunha, Serrinha e Valente). Foram eles os responsáveis por transformar Valente em capital do sisal. Eles carregam a folhas até a máquina de processamento, e dali até o varal onde os fios secam.

Estão também ajudando o homem do campo na labuta de outras culturas de subsistência, como da mandioca, do feijão, do milho e da mamona, O professor de veterinária da USP, Adroaldo José Zanella está tentando implementar estratégias de bem-estar dos jegues. Ele acha que um animal que está aqui há 500 anos não pode acabar em cinco.

UM ACORDO ESQUISITO E OS ATRAVESSADORES

A China não atende sozinha a demanda de criar 10 milhões de jumentos por ano para o abate, por isso importa esses animais de países da África e da América do Sul, principalmente o Brasil, num acordo esquisito. Aqui não tem nenhuma estrutura para aumentar a produção, e o destino do jegue é se acabar em pouco tempo.

Existe um “faroeste” na cadeia de atravessadores de asininos no Nordeste para o mercado chinês, conforme constatou a reportagem de Alexandre e da Repórter Brasil. Eles percorreram quase três mil quilômetros no sudoeste da Bahia e só avistaram 15 jumentos. Milhares estão sendo submetidos a condições degradantes e abatidos nos frigoríficos de Simões Filho (Cabra Forte), Amargosa (Frinordeste) e Itapetinga (Frigorífico Regional Sudoeste). Devido aos maus tratos houve uma liminar judicial proibindo o abate, mas retornaram às atividades.

:: LEIA MAIS »

NA CAATINGA É ASSIM

No árido do sertão de pedregulhos e garranchos cinzentos, só o mandacaru ainda é o sobrevivente da bonita e triste paisagem. Muitos abandonam a terra no tempo da sequidão na procura do sustento para a família em outras paragens. Os governos e políticos prometem melhoras, mas tudo continua no mesmo tempo de séculos passados. O sertanejo sofre, ora ao Supremo Senhor e vai vivendo, ou vegetando como pode, olhando sempre aos céus quando a chuva virá para molhar o chão e plantar suas lavouras, muitas vezes perdidas com a estiagem. Ele é enganado até pelo tempo. Esqueceram dele aqui nesta terra de ninguém, ou aliás, só deles, os coronéis do poder. A imagem é mais um flagrante nas andanças do jornalista Jeremias Macário; Na caatinga é sempre assim há mais de 500 anos.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia